olho coberto por uma renda preta.

X, 1974

 

A câmara focaliza um olho. Este ocupa toda a tela.  A câmara parada constitui o que está fora da cena. Esta é o outro olho que observa desde fora. O outro elemento é o perigo -a tesoura cortante- e os traços de sangue.

 

Vídeo super8 transcrito em vídeo digital em 2000

Roteiro/Direção /Montagem: Anna Maria Maiolino

Música: Vania Dantas Leite

Fotografia: Max Nauenberg

09.07.22

18h00

Local: Galpão CRU - R. Cruzeiro, 802 - Barra Funda, São Paulo

Ingressos gratuitos por ordem de chegada.
Local sujeito a lotação máxima.É necessário  a apresentação do passaporte da vacina.

X, 1974

meia boca sorrindo, parte do nariz. foto pb de baixo para cima.

 Y , 1974

Um grito e os olhos vendados de uma personagem se sucedem a espaços negros no tempo. Registro do momento presente, a repressão militar.

Super 8 transcrito em vídeo em 2000

Roteiro/Direção/Montagem: Anna Maria Maiolino

Música: Vânia Dantas Leite

Voz: Márcia Taborda

Fotografia: Max Nauenberg

textura  enrugada de pele da mão.

+ & - (mais e menos), 1999

A câmara totalmente parada focaliza duas mãos com grande aproximação.  Estas e os dedos são os personagens autônomos do corpo e que estabelecem um diálogo. A fala se apoia na dramaticidade poética, em busca de outros significados.

Filmado em H8 e transcrito em vídeo digital em 1999

Música: Vânia Dantas Leite

Argumento: Anna Maria Maiolino

Fotografia: Anna Maria Maiolino

Voz: Marcia Taborda

Edição: Anna Maria Maiolino e Paulo Humberto Moreira

Y, 1974

+  &  -, MAIS E MENOS , 1999

falante de caixa de som. imagem em preto e branco.

Obra, Vídeo Instalação, 2002

Vídeo instalação com música eletroacústica, mantendo sempre o leitmotiv Obra. A composição musical tem como base os sons captados no desenvolver de uma obra arquitetônica, que são modificados eletronicamente. Desconstrução e reconstrução. Recriação de registros documentais desta obra, de forma poético-visual, ressaltando o trabalho braçal, o fazer, a continuidade da realização física do trabalho. Obra como processo, obra como metáfora da arte e da vida.  Este trabalho consta de 4 vídeos de 7 minutos cada, que são projetados em loop simultaneamente. 

 

Projeto: Vídeo da instalação "Obra", Atelier Rio Comprido, RJ

Direção e imagens: Valéria Costa Pinto

Desenho de som: Vania Dantas Leite

Edição: Carlo Sansolo

"O vídeo Obra, tem um processo muito artesanal e doméstico.  Estava fazendo  obra de renovação num casarão do séc. XIX, para servir de atelier. Comecei a filmar tudo e percebi 4 etapas diferentes e simultâneas: telhado, estrutura metálica, marcenaria e alvenaria. Era uma sinfonia de efeitos visuais e sonoros. Imediatamente pensei numa ópera e me lembrei de Vania. Ela foi me visitar e se interessou em ver o material depois de pronto. E assim foi. Levei mais de um ano filmando com uma antiga filmadora HI 8, e depois levei mais um bom tempo para conseguir selecionar e editar o material. Depois de pronta a edição , ela gostou das imagens, recriou os sons e fez a composição. Fizemos a apresentação no próprio atelier com 4 projeções. Um díptico em grande formato na parte central do atelier, outra projeção no chão e outra na televisão. Foi muito bonito ver a obra dentro do atelier já pronto. Depois disso o trabalho foi para o mundo, sendo projetado em vários lugares diferentes."

Valéria Costa Pinto

OBRA, 2002

foto pb de uma rua de paralelepípedo com 4 casas de janelas grandes  na lateral direita.

LONGE AO SUL, 2014

Longe ao Sul, 2014

Vídeo instalação com três projeções distintas e complementares. O vídeo privilegia o olhar estrangeiro, mas próximo e afetivo da poeta americana Elizabeth Bishop sobre o Brasil, e em especial, sobre Ouro Preto, cidade onde viveu nos anos 60. Às imagens filmadas em janeiro de 2014 na célebre cidade histórica mineira foram entrelaçados fragmentos de três poemas de Bishop escritos no Brasil: "Questões de Viagem, Chegada em Santos e Pela Janela:Ouro Preto. O som presente na vídeo instalação, foi concebido a partir de alguns pedaços sonoros gravados no local.

 

Concepção e direção: Valéria Costa Pinto

Desenho sonoro: Vânia Dantas Leite

Edição e finalização: Célia Freitas

Fotografia: Diogo de La Vega e Valéria Costa Pinto

Assistente de produção: João Henrique Costa

Texto: Masé Lemos

 

Fragmentos de poesia retiradas do livro:

Poemas Escolhidos, Elizabeth Bishop, tradução de Paulo Henriques Britto. 

São Paulo, Companhia das Letras, pp. – 219, 229, 313, 315. 

Junho de 2014

"O vídeo Longe ao sul, o processo foi diferente. Fui contemplada com um prêmio para realizar o projeto. Formei uma pequena equipe e fomos para Outro Preto. Tinha um layout do que queria, expliquei a idéia e deixei todos livres para captar imagens e sons. Uma das telas, seria a geografia do local, com suas montanhas e construções históricas. Na outra, a vida cotidiana e pacata da cidade como Elizabeth Bishop descreve nas suas poesias e na terceira, a casa da poeta, seus objetos íntimos, suas pinturas e poesias. Tudo em camadas de presente e passado.   Foram 4 dias maravilhosos por lá e conseguimos um material muito bom. Vania então captou os sons e criou outros. Fiz a edição e a partir das imagens, ela projetou o som para dois canais, de forma a espacializar os sons. Ficou um trabalho lindo."

Valéria Costa Pinto

DESCONCERTO

foto da projeção de um predio na parede, imagem desfocada

DesConcerto, 2003

DesConcerto é um movimento no sentido de encontrar novas formas de comunicar as novas músicas, oferecer ao público uma situação de interação perceptiva mais adequada às novas linguagens. O espetáculo propõe um jogo entre diferentes práticas musicais, dentro e fora da sala de concerto. Espacializando a narrativa, expandindo o espaço de ocupação do teatro para criar esta convergência entre o dentro e o fora, o repertório apresenta músicas que interagem com imagens, concertos de rua documentados em áudio-visual e processamentos em tempo real, através das mais diferentes interfaces digitais. Na concepção da ocupação  do espaço no contexto do concerto, Vania Dantas Leite e a artista multimídia Simone Michelin que assinam também as composições de música e vídeo em primeira audição. Criando e comandando os processamentos em tempo real, a compositora Elaine Thomazi Freitas.

Argumento e dinâmica do concerto: Vânia Dantas Leite

Roteiro e dinâmica espacial do sistema: Simone Michelin

Música: Vânia Dantas Leite

Vídeos: Simone Michelin  (direção/edição/gravação)

Processamentos a tempo real: Elaine Thomazzi de Freitas.