Jazzfest Berlin 2021 - 4 Nov 2021 © Camille Blake - Berliner Festspiele-3.jpg

foto: Camille Blake - Berliner Festspiele

PARCERIA JAZZFEST BERLIN

 

A abordagem criativa do CHIII Festival em realizar uma edição de festival digital apesar da pandemia e da situação política no Brasil na época, sua fidelidade à cena musical local e ousadia em explorar novos territórios artísticos nas condições mais desfavoráveis, me impressionaram profundamente. Minha equipe e eu tivemos a sorte de poder contar com parceiros tão confiáveis ​​e sua gentil generosidade em compartilhar seus conhecimentos e experiência quando aceitamos o desafio de organizar juntos uma apresentação remota em São Paulo no Jazzfest Berlin 2021.

Quando penso nos primeiros dias daquele ano, nossos encontros online com Manoela Wright e Juliano Gentile foram alguns dos poucos momentos brilhantes que realmente me inspiraram e me ajudaram no desafio de planejar um festival a partir do isolamento da pandemia. Não só aprendemos muito sobre a impressionante diversidade musical e cultural da cena de Jazz e música improvisada da cidade. As quatro produções audiovisuais resultantes desta parceria também constituíram um grande enriquecimento artístico para a programação do festival, dando ao público berlinense a oportunidade de testemunhar o melhor da música criativa paulistana em um espaço artístico compartilhado – afinal, uma oportunidade única em tempos da pandemia.

Estou muito feliz que essas peças possam agora ser “trazidas para casa” em São Paulo na atual edição do CHIII Festival - e que o CHIII mantenha o intercâmbio musical entre nossas duas cidades convidando grandes improvisadores de Berlim para tocar em São Paulo agora que apresentar música ao vivo entre continentes tornou-se possível novamente.

Nadin Deventer, diretora artística do Jazzfest Berlin

CHI_LOGO_0113.jpg

A Instalação Jazzfest Berlin reproduz as quatro obras criadas para quatro telas para a edição de 2021 do festival, sendo elas: XXXX (Quartabê), Schwarzfahren (Negro Leo) ,  Ping Pong (São Paulo Underground) e Ogbe Oyeku Iwori Odi (Metá Metá). 

09.07.22

18h00 - abertura da casa

Local: Galpão CRU - Rua Cruzeiro, 802 - Barra Funda, São Paulo

Ingressos gratuitos por ordem de chegada.

Local sujeito a lotação máxima.

É necessário  a apresentação do passaporte da vacina.

JAZZFEST BERLIN

  • www icon 03
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
QUARTABÊ BY ILANA BAR_03.jpg

Quartabê, XXXX, 2021

Formado em 2014 por membros da banda liderada pelo ícone experimental brasileiro Arrigo Barnabé, o Quartabê colidiu despreocupadamente abordagens estéticas com graça e sofisticação sedutoras. O grupo – a percussionista Mariá Portugal, as clarinetistas Joana Queiroz e Maria Beraldo e o tecladista Chicão – têm dedicado os seus dois álbuns a pesquisar e dar nova vida a composições escritas, respetivamente, por Moacir Santos e Dorival Caymmi. No disco Caymmi, o grupo abstraiu linhas e fragmentos de suas peças com arranjos inventivos, habilmente mesclando improvisação, ritmos brasileiros e timbres translúcidos. A contribuição de Quartabê para o Jazzfest Berlin foi criada em uma colaboração remota – um gesto simbólico de separação física imposta pela pandemia e um reconhecimento de Mariá Portugal morando na Alemanha nos últimos dois anos. O grupo permanece unido em uma busca musical contínua.

CHI_LOGO_0113.jpg

Mariá Portugal bateria

Joana Queiroz clarinete, clarone

Maria Beraldo clarinete, clarone

Chicão Teclas

Ricardo Mosca mixagem

Carlos Freitas masterização

Thais Triveni Câmera

Sóstenes Matusalem Câmera

Amabile Barel Câmera

Ellen Trenn Câmera

Engenheiro de gravação Bernhard Rupprecht (Mariá Portugal)

Produção Executiva Manoela Wright

Diretore de vídeo  Insiranomeaqui

Encomendado pelo Berliner Festspiele / Jazzfest Berlin em cooperação com Manoela Wright & Juliano Gentile

QUARTABÊ: XXXX

 

QUARTABÊ, XXXX

Negro-Leo_by_Rafael-Meliga.jpg

Negro Leo, Schwarzfahren,  2021

Poucos músicos atuais que atuam no Brasil adaptaram o alcance estilístico voraz outrora praticado pelos músicos da Tropicália como Leonardo Campelo Gonçalves, mais conhecido como Negro Leo. À sua maneira peculiar, ele subscreve os princípios da produção cultural autônoma brasileira expostos pelo poeta Oswald de Andrade em seu ensaio “Manifesto Antropófago”, de 1928, interpretando-os através de uma lente pós-Tropicália. Sua música salta por todo o mapa, com um compromisso permanente com a experimentação, seja ele soltando torrentes de ruído ou cantando uma bossa nova coagulada pela dissonância. Ele é seriamente prolífico, lançando dez álbuns na última década, cada um desafiando as expectativas. O seu trabalho colide com a eletrônica e a instrumentação acústica, sugerindo Jorge Ben para o conjunto experimental, embora o único caminho que percorre seja aquele que percorre cada vez que sobe ao palco. Sua prática é impulsionada por uma mentalidade de improvisação, e ele frequentemente se afasta de seu material escrito com interrupções instantâneas, criando colchas sonoras espontâneas de livre associação. De sua casa em São Paulo, ele apresenta um novo trabalho dirigido, fotografado e montado por sua igualmente talentosa esposa, a cantora Ava Rocha.

CHI_LOGO_0113.jpg

Negro Leo composição, piano, voz, programação, vitrola, direção de vídeo

Ava Rocha direção de vídeo, câmera, edição

Sérgio Machado bateria

Pedro Dantas baixo elétrico

Bruno Schiavo sintetizadores

Lucas Pires Letras

Renato Godoy mixagem, masterização

Angela Novaes (QTV) produtora executiva

Mariana Mansur (QTV) produtora executiva

Encomendado pelo Berliner Festspiele / Jazzfest Berlin em cooperação com Manoela Wright & Juliano Gentile

NEGRO LEO, SCHWARZFAHREN

spu.jpg

São Paulo Underground, Ping Pong, 2021

Durante uma longa residência perto da Amazônia brasileira no início dos anos 2000, o cornetista e compositor de Chicago Rob Mazurek formou essa aliança elástica com dois dos músicos mais ecléticos e flexíveis de São Paulo: o percussionista Mauricio Takara e o tecladista Guilherme Granado. Trabalhando juntos há mais de uma década, o trio alcançou uma síntese sublime de várias tradições, seja o jazz investigativo global de Don Cherry ou os ritmos de rua de Pernambuco. A música é guiada por uma combinação bacana de melodia concisa, camadas ricas de texturas eletrônicas e cadências modernas, incluindo breakbeats de hip-hop ou grooves de samba, imbuídos de uma prática improvisada aberta que permite todo tipo de mudança de código astuta. O grupo fez parte do inebriante mash-up de conjuntos que se apresentaram como parte do T(r)opic de Mazurek e do guitarrista francês Julien Desprez no Late Night Lab do Jazzfest Berlin 2019, e recentemente reafirmou seu amor pela colaboração com “Saturno Magico”. uma gravação feita com Tupperwear, uma dupla experimental das Ilhas Canárias. A música é guiada por um espírito de generosidade e espontaneidade, com passagens de lirismo sincero chegando ao absurdo, capturando humores aparentemente incongruentes em um só ataque unificado.

CHI_LOGO_0113.jpg

Rob Mazurek trompete piccolo, sintetizador modular, vídeo

Guilherme Granado sintetizadores, voz, teclados, sampler, visuais

Mauricio Takara bateria, percussão, voz, eletrônica, visuais

Encomendado pelo Berliner Festspiele / Jazzfest Berlin em cooperação com Manoela Wright & Juliano Gentile

SÃO PAULO UNDERGROUND,  PING PONG

foto6_by_fernando_eduardo.jpg

Metá Metá, Ogbe Oyeku Iwori Odi, 2021

Desde a formação em 2008, os membros do trio paulistano  esteticamente voraz, Metá Metá,  emergiram como grandes figuras no cenário musical brasileiro. Desde o início, a cantora Juçara Marçal, o guitarrista Kiko Dinucci e o saxofonista Thiago França revelaram profunda curiosidade e fluência estilística muito além do som de sua terra poliglota. Enquanto o grupo pode convocar a energia corajosa e contundente do punk rock em seu ataque, o Metá Metá envolveu as polirritmias emocionantes do nordeste do Brasil em seus ritmos de condução. O álbum de estúdio mais recente da banda, “MM3”, também adicionou sabores sedutores do norte da África à sua fúria fascinante. Os membros da banda estão envolvidos em inúmeros outros projetos, muitos dos quais alimentam o som indescritível de Metá Metá de forma prolongada, seja o fraseado ritmicamente assertivo de Marçal, os frevo experimentais que França apresenta em seu novo álbum ou os sambas austeros que Dinucci apresentou em seu álbum inovador de 2020 “Rastilho”.

CHI_LOGO_0113.jpg

Juçara Marçal voz, kalimba

Thiago França saxofone, flauta, pífaro

Kiko Dinucci violão,guitarra elétrica, sintetizador, percussão, sampler, direção

Luan Cardoso fotografia, pós-produção

Beatriz Dantas Edição

Caê Rolfsen mixagem e masterização

Encomendado pelo Berliner Festspiele / Jazzfest Berlin em cooperação com Manoela Wright & Juliano Gentile

METÁ METÁ, OGBE OYEKU IWORI ODI