Andre%CC%81%20Damia%CC%83o_edited.jpg

EXCEÇÃO E REGRA: PRÁTICAS REMOTAS DE IMPROVISAÇÃO 

22, 23 E 24.04 

 
 

CARGA HORÁRIA: 2H POR DIA
Tendo como ponto de partida pesquisas de música em rede e web arte, dos anos 90 e 2000, a oficina apresentará algumas ferramentas desenvolvidas para criação sonora em rede com o intuito realizar composições audiovisuais coletivas. Serão introduzidas algumas abordagens de técnicas de programação computacional e composição, utilizando softwares abertos, que permitem a manipulação em tempo real de vídeos, e formas de notação visual e verbal para guiar as improvisações. A dinâmica de cooperação entre os participantes também será um tema central para os encontros, com objetivo de propor uma reflexão sobre as práticas de improvisação livre no atual cenário da pandemia. A plataforma principal a ser utilizada será o "live coding youtube", que pode ser acessada em https://livecodingyoutube.github.io/.

 

Pré requisitos: Interesse e algum tipo de prática musical. Acesso computador, internet, microfone e câmera.

Essa atividade é gratuita e você poderá se inscrever através do email festivalchiii.mus@gmail.com entre 01 e 16 de abril. As vagas são limitadas.

ANDRÉ DAMIÃO (BR)
André Damião, artista e pesquisador, trabalha de maneira transversal entre os campos da música e arte com novas e velhas mídias. Formado em Composição pela UNESP, mestre e doutorando em Processos de Criação pela USP, integra do NuSom (Núcleo de Pesquisa em Sonologia) na USP. Suas pesquisas são focadas em questões sobre crítica da tecnologia, som e mobilidade. Seus trabalhos já foram apresentados em salas de exibição e concerto de 20 países.

ANDRÉ DAMIÃO

  • Instagram
Renata Gelamo 2_Crédito_ Tarita de Souz

ATELIÊ DE VOZ:
DA BOCA AO OUVIDO

13.04 

 
 

Na tentativa de identificar nossa própria polifonia, assim como de criar intimidade com as vozes que nos habitam, buscaremos aproximar a "boca do ouvido" num exercício de "escutar" como possibilidade de ser afetada e de “experimentar a voz” como modo de provocar afetos. Investigaremos esse lugar de fronteira, de fricção, de transição, de furo, de passagem, de esvaziamento, de aventura, esse lugar de escuta de si e da/o outra/o, de viver a voz-escuta na experiência do encontro. Experimentar outros modos de usar a voz, cuidar da palavra, cuidar de si, cuidar da outra, criar outras vozes, abrir espaço dentro e fora, respirar, fazer silêncio, investigar e trilhar caminhos para se chegar à voz própria: são todos convites para que possamos habitar o próprio corpo, para que possamos habitar a própria voz. Programa: práticas de escuta, ensaios e narrativas: modos de dizer da vozexperiência, poéticas da anatomia da voz e da escuta, respirações, timbres da voz , a voz própria, a voz como gesto.

Essa atividade é exclusiva para es alunes do Projeto Guri.

RENATA GELAMO (BR)
Renata Gelamo, arte-educadora e produtora cultural, é graduada em Fonoaudiologia, mestre em Estudos Linguísticos e doutora em Artes pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Professora dos cursos de pós-graduação “Canção Popular: criação, produção musical e performance” e “Pedagogia vocal: expressão e técnica” na Faculdade Santa Marcelina - FASM; professora do curso de pós-graduação “Narração artística: caminhos para contar histórias em contexto urbano” na FACON/A Casa Tombada. Pesquisa e orienta trabalhos nas áreas de voz, escuta, canção popular, pedagogia vocal e narrativas. Faz parte do Vocal SP, grupo formado por profissionais que promove discussões interdisciplinares sobre a voz. Fundadora do Ateliê de Voz.

RENATA GELAMO

  • Facebook
  • Instagram
Lello%20Bezerra_1_edited.jpg

SONORIDADE:
ESTÉTICA MUSICAL

13.04

 
 

A oficina tem como objetivo introduzir estudantes e entusiastas ao universo estético da música e da composição para sonoridade. Com jogos que estimulam o processo criativo e cognitivo por via de esquemas pedagógicos organizados que atuam e desencadeiam processos mentais, refletidos e imaginados para o ato, ação da criação e formação de símbolo, da reprodução á reconfiguração de formas (visuais e sonoras) com apoio de história da música e da arte além de suporte de percepção aplicada a arte. Gramática visual experimentada na música. Uma experiência de conscientização auditiva visual.

Essa atividade é exclusiva para es alunes do Projeto Guri.

LELLO BEZERRA (BR)
Pesquisa percepção visual, criatividade e psicologia da educação. Tendo como campo o ateliê do NAC-PECP Núcleo de Artes e comunicação do projeto Einstein na comunidade do Paraisópolis, processo que já dura 5 anos. Projeto desenvolvido pelo hospital Albert Einstein e criado pela Arte educadora, psicóloga e produtora cultural, Vanda Mafra Falcone. Núcleo de artes esse que conta com apoio de psicologia, psicopedagogia e educação física. Lello propõe experiências por via de processos artísticos que ajudam no desenvolvimento sensório motor, cognitivo e criativo por via de esquemas programados aplicados em formas de jogos imaginativos ou estimulados por objetos concretos ou fenomenológicos aplicados ao violão e instrumentos de percussão, atividades envolvendo processos mentais convergentes e divergentes que levam a refletir, imaginar e gerar ações no campo da arte, música e experiência direta ou seja na vida real, no social. Com apoio de técnicas aplicadas ao violão, gramática visual aplicada a arte experimentado na música, suporte de história da música e da arte direciona a prática, observação e contextualização artística, criando um ambiente afetivo por meio de experiências que levam a consciência perceptual, corporal e espacial trazendo uma forma de compreensão em um contexto educativo construtivo, criativo e humanizado baseado nas idéias de Piaget, Ana Mae Tavares, Paulo Freire, Derek Bailey, John Cage, Françoi Delalande e Wolfgang Kohler.

LELLO BEZERRA

  • Facebook
  • Instagram
Adriano%20Castelo_edited.jpg

RASTREADOR PARA
FLAUTAS ESQUECIDAS

15.04

 
 

Trata-se de uma espécie de flauta construída a partir de CDs só que sem um corpo acústico. A proposta é que cada participante construa sua flauta e encontre vários corpos acústicos para completar sua flauta, pesquisando sons nos mais variados objetos do cotidiano como copos, tubos, tampas e recipientes em geral. Será demonstrado também algumas outras construções possíveis com este dispositivo.

Essa atividade é exclusiva para es alunes do Projeto Guri.

ADRIANO CASTELO (BR)
Adriano Castelo Branco é artista visual, educador e construtor experimental de instrumentos musicais. Suas pesquisas, criações e compartilhamentos artísticos integram várias linguagens artísticas. Ultimamente desenvolve um trabalho de pesquisa onde o hibridismo de linguagens entre artes visuais, música e poesia se configuram em expressões como esculturas sonoras, performances e instalações sonoras. Realiza exposições, cursos e oficinas.


 

ADRIANO CASTELO

  • Instagram
Sergio Kafejian Foto.jpg

NOVOS SONS,
NOVAS MÚSICAS

16.04 

 
 

O século XX foi marcado por diversas transformações na música. O contato com culturas musicais não-ocidentais, a invenção de novos instrumentos, o surgimento de tecnologias de gravação e reprodução sonora, o desenvolvimento recursos elétricos e digitais, a invenção de novos sistemas de escrita, são alguns dos elementos que transformaram nossa maneira de se relacionar com os sons. Nesse encontro, iremos nos aproximar um pouco das diversas possibilidades que surgiram nesse período de re-invenção do fazer musical.

Essa atividade é exclusiva para es alunes do Projeto Guri.

SERGIO KAFEJIAN (BR)
Compositor e pesquisador cujas atividades envolvem composição instrumental, composição eletroacústica e projetos artístico-pedagógicos com foco na música dos séculos XX e XXI. Entre suas premiações destacam-se: Festival Internacional de Música Eletroacústica de Bourges (França, 1998 e 2008); Gilberto Mendes de Composição Orquestral (São Paulo, 2008), Bolsa Criação (Funarte, 2009) e Interações Estéticas (Funarte, 2009). Obteve seu Mestrado em 2008 pela em Brunel University (Londres) e Doutorado, em 2014, pela UNESP. Atuou como Diretor Artístico da Camerata Aberta de 2011 a 2015. É professor na Faculdade Santa Marcelina desde 2001.

SERGIO KAFEJIAN